Newsletter

Seu e-mail:


Fornecido por FeedBurner

Atualidades

Novelas: a “educação” de sua família feita por uma rede de televisão

Pesquisas demonstram como novelas moldam a sociedade brasileira. Foram realizados dois estudos com base em 115 novelas exibidas às 19hs e às 20hs, pela Rede Globo, entre 1965 e 1999, sendo a primeira “Rosinha do Sobrado” e a última “Vila Madalena”.


Jovem mãe italiana morreu de câncer para dar a luz o filho

A luminosa jovem romana de 28 anos, com o sorriso sempre nos lábios, morreu porque escolheu adiar o tratamento que podia salvá-la. Ela preferiu priorizar a gravidez de Francisco, um menino desejado desde o começo de seu casamento com Enrico.


Nota de pesar pelo passamento de Dom Bergonzini

In Memoriam de Dom Luiz Gonzaga Bergonzini, publicamos o vídeo no qual o Cel. Paes de Lira tece pertinentes comentários relativos ao ilustre Prelado, falecido aos 76 anos.


Artigos


Sábado, 10 de Março de 2012

Bebês recém-nascidos “não são pessoas” e podem ser mortos, afirma artigo de conceituada revista médica britânica

Edson Carlos de Oliveira

Seja o primeiro a comentar este artigo

Catecismo Contra o Aborto

Porque devo defender a vida humana
14x21 – 80 páginas

Livro completo para todos os que querem defender o Sagrado Direito de Nascer!

Livro acessível, que todos os brasileiros podem adquirir, e todos os brasileiros devem ler!

A cultura da morte não dorme no ponto. Aproveitando-se das leis iníquas que permitem o aborto, ativistas procuram englobar o infanticídio como uma de suas formas, simplesmente alterando o nome da prática.

Dois “especialistas em ética” publicaram um artigo no Journal of Medical Ethics (23/2/2012) intitulado: "After-birth abortion: why should the baby live?" (Aborto pós-parto: por que os bebês devem viver?) no qual defendem a tese de que matar um bebê nos primeiros dias de vida não é infanticídio mas "aborto pós-parto".

Francesca Minerva e Alberto Giubilini, autores do texto, afirmam que os recém-nascidos, que eles comparam com fetos, não são pessoas por não ter consciência da sua própria existência, e por isso não possuem estatuto moral semelhante ao dos adultos.

Para eles, os pais teriam direito de assassinarem seus filhos se estes nascessem com doenças e malformações não detectadas durante a gravidez ou se os pais não tiverem condições psicológicas ou materiais para cuidarem do bebê.

Devido aos inúmeros protestos recebidos, o editor, Julian Savulescu, escreveu um artigo, no blog do jornal (28/2/2012), justificando a publicação. Ele afirma que a defesa do infanticídio, “que os autores chamam de aborto pós-parto”, não é nova e que o "objetivo do Journal of Medical Ethics não é apresentar a verdade ou promover algum ponto de vista moral (...). Os autores argumentaram, de uma forma provocadora, que não existem diferenças morais entre um feto e um recém-nascido (...). Se o aborto é permitido, o infanticídio deve ser também. Os autores procedem logicamente a partir de premissas que muitas pessoas aceitam e que muitas outras poderiam rejeitar”.

Ora, se os autores admitem que “não existem diferenças morais entre um feto e um recém-nascido”, a conclusão lógica deveria ser a de que não se pode matar nem um nem outro. E que, portanto, tanto o infanticídio quanto o aborto constituem assassinatos. De onde se vê a que abismos nos conduz a propaganda abortista: a matar inclusive recém-nascidos.

Se o infanticídio passa agora a ser chamado de "aborto pós-parto", o que não diminui em nada a gravidade do crime, como passará, no futuro, a ser chamada a eutanásia? "Aborto pós-maturidade"? Ou melhor, de acordo com os clichês linguísticos da cultura da morte, "interrupção voluntária da vida"?



Receba as atualizações deste site em seu e-mail

Comentários (0) | Fazer comentário

Ainda não há comentários a este artigo.

Novo comentário:

Nome:
E-mail: (O e-mail não será publicado)

Comentário:

Você pode usar algumas tags HTML, como <b>, <i>, <a>

Outros artigos

Abortos diminuem e ocasiona o fechamento de 70% de clínicas da morte nos EUA

Novelas: a “educação” de sua família feita por uma rede de televisão

40ª MARCHA CONTRA O ABORTO — em Washington mais de 500 mil participantes!

Jovem mãe italiana morreu de câncer para dar a luz o filho

Nota de pesar pelo passamento de Dom Bergonzini

Vídeo: proteste contra o novo Código Penal. Diga NÃO à cultura da morte

Outras Notícias

Anápolis votará supressão do aborto em sua Lei Orgânica

Novo Código Penal ameaça favorecer a causa abortista

Projeto de Lei no Uruguai visa liberar aborto em casos de deformações e síndrome de Down

Médicos contra o aborto na Argentina

La Nación pressiona Cristina Kirchner para se manifestar contra o aborto

Juíza alerta para a crise de autoridade na família